Friday, June 08, 2007

SE PUDESSES CONTAR AS TUAS HISTÓRIAS...


Cais de embarques e desembarques,

da Rainha D. Amélia
ao simples pescador de pé descalço,
Cais dos nossos pensamentos,
desalentos e amores,
Cais das nossas lembranças,
solidão e até paixão!


3 Comments:

Anonymous Anonymous said...

NAVIO

Tenho a carne dorida
Do pousar de umas aves
Que não sei de onde são:
Só sei que gostam de vida
Picada em meu coração.
Quando vêm, vêm suaves;
Partindo, tão gordas vão!

Como eu gosto de estar
Aqui na minha janela
A dar miolos ás aves!
Ponho-me a olhar o mar:
- Olha um navio sem rumo!
E de vê-lo dá-lhe a vela
Ou sejam meus cílios tristes:
A ave e a nave, em resumo
Aqui na minha janela.

VITORINO NEMÈSIO

Minha amiga
Do teu cais, soltaram-se as amarras que via da minha janela.
Lembrei-me e procurei de entre os inumeros poemas, um que se fizesse ao mar, mas que voltasse sempre a este cais.
Como vês este poema é de Vitorino Nemésio que tão bem sabia transmitir nas palavras, fossem ou não poemas, a paz que todos procuramos.
Um beijinho
António Inglês

5:28 PM  
Blogger Jose Gonçalves said...

http://porentremontesevales.blogspot.com/

Minha querida amiga anote este blog nas suas visitas.
Um abraço
José Gonçalves

5:43 PM  
Blogger aramis said...

Amigo José Gonçalves,
Anotei, visitei e até já postei!!!
Está mesmo muito bem feito.
Beijinhos

9:18 AM  

Post a Comment

<< Home